Cooperativa de reciclagem com bons resultados no carnaval

Ratos e Urubus…larguem minha fantasia”, enredo levado pela Beija-Flor de Nilópolis e que conquistou o vice-campeonato de 1989, é considerado um dos desfiles mais antológicos que o público da Sapucaí já viu.

Um dos trechos do samba dizia: “Sai do lixo a nobreza/Euforia que consome/Se ficar o rato pega/Se cair urubu come…” Já naquele ano a agremiação destacava a importância da reciclagem de materiais.

Vinte e nove anos depois, a reciclagem continua um tema bastante debatido. No carnaval de 2018, após a passagem dos blocos e do término dos desfiles das escolas de samba, foi a vez do bloco dos cooperados de cooperativas de reciclagem tirarem nota 10 nos quesitos evolução, determinação, força de vontade, garra e reaproveitamento.
Latinhas, papelão, arames, espumas, restos de fantasia… não faltaram materiais para serem levados às centrais de reciclagem. De acordo com Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), foram recolhidas 1.076 toneladas de resíduos nos blocos, bailes e festas de rua, Sambódromo, Intendente Magalhães e entornos.

No Sambódromo, segundo a Companhia, durante os desfiles, na limpeza diurna e no entorno, foram recolhidas cerca de 305,5 toneladas, mais 14,3 toneladas em materiais recicláveis, que foram entregues às cooperativas parceiras. Da Avenida Intendente Magalhães, palco dos desfiles das escolas de acesso e agremiações, foram removidas 65,31 toneladas de resíduos.

Durante a folia, os cooperados da Cooperativa de Trabalho e Produção de Catadores de Materiais Recicláveis (Coopfuturo) recolheram mais de 14 toneladas de material (garrafas pet, papelão, latas de alumínio, entre outros. Além da Sapucaí, o grupo esteve presente nos desfiles do Bloco da Preta, no Centro, Orquestra Voadora, no Aterro do Flamengo, e Banda de Ipanema.

Segundo a presidente da instituição, Evelin Marcele, o resultado foi excelente. “O resultado foi muito bom. Chegamos com mais lonas plásticas repletas de latas de alumínio, sem contar os demais materiais coletados. Toda a equipe da cooperativa trabalhou incansavelmente para obter um ótimo resultado”, disse a dirigente.

Muitos dizem que nem tudo que reluz é ouro. Nem tanto, pois a lata – e tantos outros materiais – valem tanto quanto o ouro. Ainda mais, no carnaval!

Reportagem: Richard Hollanda – Comunicação Sistema OCB/RJ

Richard Hollanda

Richard Hollanda

Analista de Comunicação e Tecnologia do Sistema OCB/RJ. Graduado em Jornalismo pela Universidade Veiga de Almeida (UVA) e pós-graduado em Administração em Marketing e Comunicação Empresarial pela UVA.