Sistema OCB/RJ apresenta proposta de geração de energia compartilhada em encontro com cooperativas do Ramo Consumo

Em 2012, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) lançou Resolução que permite ao consumidor brasileiro gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis ou cogeração qualificada e inclusive fornecer o excedente para a rede de distribuição de sua localidade. Trata-se da micro e da mini geração distribuídas de energia elétrica, inovações que podem aliar economia financeira, consciência socioambiental e autossustentabilidade.

Este modelo de geração de energia foi o tema central da discussão no Encontro Técnico do Ramo Consumo, realizado no dia 4 de maio, na sede do Sistema OCB/RJ e que reuniu aproximadamente 50 dirigentes e representantes de cooperativas.

A ideia é que as instituições cooperativistas se unam para produzirem sua própria energia utilizando as placas fotovoltaicas – Painéis solares que convertem a energia da luz do sol em energia elétrica.

Segundo o presidente do Sistema OCB/RJ, Vinicius Mesquita, “os estímulos à geração distribuída se justificam pelos benefícios que esta modalidade pode proporcionar ao sistema elétrico, entre eles o baixo impacto ambiental, a redução no carregamento das redes, a minimização das perdas e a diversificação da matriz energética”, explicou.

Ao longo da reunião, o superintendente do Sescoop/RJ, Abdul Nasser, e o analista de monitoramento, Willian Azevedo, falaram sobre o modelo de energia renovável e explicaram como seria o financiamento para aquisição das placas fotovoltaicas – que pode ter a participação de cooperativas de crédito.

“Os custos de manutenção e a vida útil destes equipamentos (20 anos, em média) conferem a este investimento um retorno do capital de seis a oito anos, em média. Ou seja, após este período, a energia terá custo próximo a zero dependendo do arranjo de produção”, disse Willian.

“Essa possibilidade de geração de energia compartilhada é a oportunidade de mudança de patamar das cooperativas de consumo do estado do Rio de Janeiro. Acreditamos que as cooperativas ficarão fortalecidas e, sem contar, que estarão à frente de grande parte da sociedade, que ainda utiliza fontes de energia pouco sustentáveis”, comentou o superintendente Abdul Nasser.

As próximas etapas desse processo serão o de trabalhar essa questão junto aos cooperados do Ramo Consumo e o de fazer o levantamento do gasto médio de energia entre os associados de cada uma das instituições que desejam participar dessa empreitada.

Entrega de Registro

Durante a realização do Encontro, receberam o Registro da OCB/RJ as cooperativas BeautyCoop, Whitelimp e Vida Saudável.

Fonte: Comunicação do Sistema OCB/RJ

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Analista de Comunicação do Sistema OCB/RJ. Formado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte, MBA em Marketing e Comunicação Empresarial e em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais.