Sistema OCB/RJ realiza live para informar e conscientizar sobre a prevenção e o tratamento do câncer de mama

No mês dedicado à prevenção ao câncer de mama, o Sistema OCB/RJ realizou na noite da última quarta-feira (28/10), em seu canal do Youtube, a live Outubro Rosa. A atividade contou com as participações de especialistas na área de saúde, que buscaram conscientizar e informar às mulheres sobre a importância do autoexame periódico – que pode levar ao diagnóstico precoce da doença – os possíveis tratamentos, e como os cuidados com a alimentação e os aspectos psicológicos contribuem para a saúde e o bem-estar das pacientes. Assista à integra aqui.

O bate-papo virtual teve as parcerias das cooperativas Unimed Três Rios e Unifop  (Saúde e Reabilitação), do Comitê Gestor de Gênero Dona Terezita e do Instituto Cérasus.  O encontro fez parte da Campanha Laços da Cooperação – desenvolvida pelo Sistema OCB/RJ – que a cada mês, com cores e temas diferentes, aborda assuntos para conscientizar a população sobre questões ligadas à saúde.

Durante as boas-vindas, o presidente do Sistema OCB/RJ, Vinicius Mesquita, ressaltou que a prevenção ao câncer de mama deve ser um tema discutido em todos os meses do ano e pediu que as mulheres sempre façam exames periódicos.

Em seguida foi transmitido um depoimento da colaboradora Fabiana Moura, do Sistema OCB/RJ. Ela compartilhou seus medos, incertezas e como fez para vencer a batalha contra o câncer de mama.

O médico cooperado da Unimed Três Rios e chefe do serviço de mastologia oncológica do Hospital Universitário da Faculdade de Vassouras (RJ),  Dr. Ricardo Lopes Ribeiro, foi o primeiro convidado a falar. Ele destacou a representatividade da Campanha Outubro Rosa e a necessidade de as mulheres fazerem os exames periódicos.

“ O câncer de mama, em sua maioria, incide sobre a mulher, que é o alicerce da família. Outras campanhas, nos demais meses, surgiram pelo sucesso e visibilidade do Outubro Rosa. E este alcance se dá porque a mulher é colocada como comunicadora. Muitos homens ainda têm aquele tabu de ir ao médico, de se cuidar. As mulheres, não. Por isso essa divulgação da prevenção ao câncer de mama ganha voz nacional e chega aos noticiários de televisão, nas lives e repercutem nas redes sociais. Outro ponto que destaco é sobre os exames. Existe o autoexame, de toque nas mamas, que faz com que a mulher conheça seu corpo, e as mamografias, que buscam o que as mãos não conseguem identificar. Estes examens são essenciais, porque quando o câncer de mama é diagnosticado no início, as chances de cura aumentam consideravelmente. E um ponto importante: não há idade para estes procedimentos. Infelizmente muitas mulheres jovens têm sido diagnosticadas com câncer de mama porque acreditam que esta doença somente se manifesta após certo período.. A prevenção é o melhor remédio, em todas as fases da vida”, alertou o Dr. Ricardo Ribeiro.

Nutrição

Em sua fala, a nutricionista Carolina Machado, especialista em oncologia, destacou como uma alimentação saudável e equilibrada pode contribuir na prevenção e tratamento de muitas doenças, entre elas, o câncer de mama, e refutou alguns mitos.

“Vejo pessoas dizendo que existem alimentos que curam o câncer. Isso é um grande mito. Muito cuidado também com essas receitas de internet, ou dica de um vizinho. O que contribui tanto na prevenção, quanto no tratamento de câncer é uma alimentação equilibrada, saudável, evitando alimentos processados, e tendo acompanhamento de nutricionista. Somada à alimentação tem a questão das atividades físicas, com indicação de um profissional, até porque a obesidade é um fator de risco para incidência de câncer de mama. E nos tratamentos com quimioterapia e radioterapia a alimentação saudável é fundamental, porque em caso de perda radical de massa magra, a recuperação do paciente fica prejudicada”, explicou Carolina Machado, que atua no Hospital da Unimed Petrópolis.

Aspectos psicológicos

De acordo com a psicanalista Jociane Coutinho, presidente da Cooperativa Unifop, os aspectos psicológicos contribuem na forma como as pessoas vão lidar com o diagnóstico do câncer de mama.

“Tudo o que li e estudei a respeito do câncer é que se trata de uma doença multifatorial, que envolve genética, ambiente, comportamentos e emoções. E muitas vezes quando as pessoas estão fracas emocionalmente, um diagnóstico de câncer faz estourar uma bomba já armada há muito tempo. A psicologia trabalha a relação do corpo com a mente. Sabemos que o seio para a mulher tem toda uma questão de feminilidade, maternidade e sexualidade. Então, quando elas recebem um diagnóstico de que estão com câncer de mama, o impacto emocional é muito grande, principalmente pelo medo de mutilação. É nesta hora que a psicologia se faz presente para contribuir no controle da mente, muito abalada pelas inseguranças e incertezas. E quando as mulheres se curam, há também uma ressignificação de sentimentos e emoções, reorganização da vida, um novo começo”, disse Jociane, que também é Mestre em Bioética, psicóloga hospitalar.

Programa de Detecção Precoce: Viver Bem Saúde da Mulher

Suzana Ribeiro,  colaboradora da Unimed Três Rios, apresentou o Programa de Detecção Precoce: Viver Bem Saúde da Mulher, criado em 2018 e que estimula e conscientiza, durante todos os meses do ano, as mulheres que fazem parte da carteira de clientes da cooperativa a realizarem os exames de mamografia, além de levantar o perfil epidemiológico e familiar destas pacientes tanto para a prevenção, quanto para o tratamento ao câncer de mama.

Instituto Cérasus

Por fim, o Dr. Henrique Oliva, que é cirurgião oncológico, explicou o que o motivou a contribuir na fundação, em 2019, do Instituto Cérasus – Organização Não Governamental, com sede em nova Friburgo (RJ), que proporciona diagnósticos e tratamentos rápidos para pacientes com câncer de mama que não têm acesso à rede de saúde privada.

“Identificamos aqui no município que as mulheres tinham muitas dificuldades para iniciar o tratamento contra o câncer de mama. Em um levantamento, o tempo médio entre a mamografia até o tratamento era de 1 ano, em alguns casos, 18 meses. É muito tempo, o que levava a doença de um estágio inicial, para algo muito avançado, reduzindo as chances de cura. Com o Instituto Cerasus este período é de 21 dias. Nosso trabalho consiste no diagnóstico, exames de estadiamento, pré-operatório e a cirurgia gratuita. Em seguida, as pacientes são encaminhadas para quimioterapia ou radioterapia, em uma clínica parceira localizada em Teresópolis. Em pouco mais de 1 ano, o Instituto Céravs já realizou 25 cirurgias e 150 consultas”, disse o Dr. Henrique Oliva.

Para saber mais sobre o Instituto Céravs, acesse: https://www.cerasus.org.br/

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Analista de Comunicação do Sistema OCB/RJ. Formado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte, MBA em Marketing e Comunicação Empresarial e em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais.