Sistema OCB/RJ promove palestra sobre Reforma Tributária

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Considerada prioritária pelo governo para a recuperação da economia, a Reforma Tributária, em tramitação no Congresso Nacional, propõe simplificar a cobrança de tributos com a unificação de vários impostos.

E atento aos possíveis impactos que esta atualização pode causar dentro do ciclo de negócios cooperativos, o Sistema OCB/RJ convidou o secretário de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho, para ministrar a palestra:  Reforma Tributária: perspectivas para o Cooperativismo Fluminense.

O evento ocorreu nesta segunda-feira (4/11), na sede do Sistema OCB/RJ, e reuniu 25 pessoas, entre dirigentes e colaboradores de cooperativas fluminenses.

O secretário Luiz Cláudio de Carvalho iniciou a palestra explicando o objetivo da atividade..

“Estamos fazendo apresentações em diversas instituições pelo estado a fim de apresentar o que o país pretende com o sistema tributário no futuro. O ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) hoje é muito ruim, fruto de tempos de desorganização, muitas exceções e benefícios fiscais. E a proposta é sanear isso tudo”, destacou.

Em seguida, falou de nove premissas para a Reforma Tributária: Simplificação, Padronização, Princípio de Destino, Fim da Guerra Fiscal, Combate à Regressividade, Política de Desenvolvimento Regional, Compensação das Perdas face ao Novo Modelo, Permanência da Zona  Franca; e não aumento da Carga Tributária.

No primeiro, três tributos da União (IPI, PIS, COFINS), um dos Estados (ICMS) e um dos Municípios (ISS) serão substituídos por um Imposto sobre Bens, Direitos e Serviços – IBS (estadual e municipal) e um Imposto Seletivo – IS (federal).

“Cada estado terá autonomia para estipular a sua alíquota de Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), por meio de um projeto de lei de iniciativa do Poder Executivo que será votado pelas respectivas assembleias legislativas. Esse percentual vai valer para todo o estado, não podendo ser criadas diferenças entre regiões. Seria criado também um Comitê Gestor Nacional para ditar as regras do IBS, gerenciar a arrecadação e distribuir os recursos”, explicou o secretário.

Atividade foi conduzida pelo

Em relação ao cooperativismo, Luiz Cláudio de Carvalho pontuou que o IBS não prevê exceções e que será preciso criar mecanismos fora do imposto para manter competitividade das cooperativas.

“Nesta situação seriam linhas de crédito mais baratas, políticas setoriais e subvenções”, exemplificou.

O Comitê Gestor Nacional foi outro ponto abordado. O secretário falou de que a concentração da arrecadação no Comitê Gestor vai facilitar a vida do contribuinte.

“Deixaria de pagar várias guias para os estados e fazer apenas uma apuração e um recolhimento”, afirmou.

Os demais itens elencados pelo secretário foram a respeito do Simples Nacional, Regime de Compensação, Benefícios Fiscais, Distribuição de Receitas, Fundo de Compensação de Perdas e Imposto Seletivo.

Para o presidente do Sistema OCB/RJ, Vinicius Mesquita, a reunião foi esclarecedora e reforçou a parceria com a secretaria de fazenda do estado do Rio de Janeiro.

“ A Reforma Tributária, que acredito que irá acontecer, trará segurança para o país. E a presença do secretário entendo como uma oportunidade ímpar de discutir assuntos inerentes às cooperativas, em especial às de álcool açucareiro, leite e de óleo. Em relação às cooperativas menores, propor mudanças com relação à tributação, já que não são amparadas pelo Simples Nacional. Neste caso, criar uma espécie de Simples Estadual”, disse Vinicius.

Bruno Oliveira

Bruno Oliveira

Analista de Comunicação e Tecnologia do Sistema OCB/RJ Formado em Comunicação, com habilitação em Jornalismo. Pós-graduado em Marketing e Comunicação Empresarial.

Você também pode gostar de:

Destaques